Sonoridade Indica: Humanity’s Last Breath – Välde (2021)

A banda sueca trás uma sonoridade densa e apocalíptica, em seu sétimo álbum.

Com uma sonoridade que mescla o djent pesado e conhecido, dos criadores do gênero, o Meshuggah, e a densidade de bandas do famigerado deathcore como o pioneiro Acacia Strain, e o promissor Lorna Shore, o Humanity’s Last Breath nos presentou em 2021 com o lançamento de Välde.

Clima apocalíptico, múltiplas notas, tempo quebrado, tímbres graves, é um álbum que prende a atenção do ouvinte do começo ao fim. As passagens com vocais limpos, em 3 das músicas do álbum, foram bem implementadas, mantendo a proposta do álbum, e não fazem torcer o nariz, aqueles que abominam qualquer linha do tipo, em músicas extremas. Peso, densidade, e todo o clima soturno, trazem tamanha envolvência ao álbum.

Thall é o termo que vem sendo utilizado, para definir bandas do gênero. Que fazem um som tido como ‘moderno’, devido as afinações mais baixas, porém que mostram influências diretas de black/death metal.

Uma curiosidade, é que a banda também disponibilizou, junto a todo o seu material, que vc encontra nas plataformas digitais, uma versão instrumental para o álbum

Abaixo, o vídeo para a música Tide

Nos sigam e deêm um like na gente \m/

About Andrei Ramirez

34, pai, bussiness man, vocalista. Cria do new metal, forjado no metal extremo e amante da gotiqueira (darkwave ). Resenhas de shows, álbuns e entrevistas.

View all posts by Andrei Ramirez →

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *