Anônimos Anônimos estreia na Repetente Records com a provocativa Só se morre uma vez

Com energia para cima e letra provocativa, o trio punk rock paulistano Anônimos Anônimos solta a nova música ‘Só se morre uma vez’ no streaming e videoclipe via selo Repetente Records, a recém-lançada gravadora de Badauí, Phil Fargnoli e Ali Zaher do CPM22. A distribuição é da Ditto Music.

Ouça no streaming: https://ditto.fm/so-se-morre-uma-vez.

Assista ao videoclipe: https://youtu.be/7JnNktU2Iak.

Apesar de nome relativamente novo no punk nacional, o Anônimos Anônimos carrega experiência e anos de estrada.

Flávio Particelli (vocal e guitarra) Roberto Bezerra (baixo) e Marcelo Sabino (bateria e backing vocals) já haviam participado de outras bandas prolíficas do cenário independente paulistano como Fullheart (1999-2006, com 1 EP e 2 discos) e Falante (2006 – 2009, com 2 EPs).

‘Só se morre uma vez’ é um punk rock bem direto e reto, que remete às primeiras influências dos músicos, como bandas da cena californiana do punk melódico dos anos 90/2000.

“O disco tem músicas mais pesadas e uma um pouco mais pop-punk, mas achamos que essa seria um bom cartão de visita, até pra celebrar essa parceria com a Repetente, a proposta do selo, os caras do CPM22”, fala o vocalista Flávio sobre o single de estreia no selo.

A letra, aponta a banda, traz uma perspectiva do “niilismo otimista”. Assim como no 1º single da Anônimos Anônimos, Sísifo, de 2020 (ouça aqui), que é uma referência ao livro do Albert Camus, ‘Só se morre uma vez’ reflete sobre o absurdo da existência e esse espaço onde o ser humano com consciência se encontra sozinho, mas também com espaço para criar sentido e fazer sua felicidade.

O clipe, então, tem tudo isso misturado com um humor singelo e cativante. Tem a banda tocando, numa linguagem bem clássica, como em audiovisuais do NOFX e Rancid, com uma ‘tosqueira’ da historinha da Dona Morte perseguindo os músicos do AA.

“Também é uma coisa de outras bandas como Red Fang que nós gostamos e combina bem com o sarcasmo e o ‘rir de si mesmo’, que acreditamos ser uma das melhores arma para não enlouquecer”, desfere o vocalista.

A Anônimos Anônimos
“Estou farto de semideuses” Álvaro de Campos

Cada vez mais, a vida real parece um show onde todos são celebridades perfeitas e os coaches e tutoriais de sucesso proliferam tanto quanto os casos de ansiedade.

Foi nesse contexto que, em 2020, foi criada a Anônimos Anônimos, banda paulistana de punk rock/hardcore.

A proposta é servir como um grupo de terapia, em que as pessoas podem se livrar das máscaras e pressões da sociedade através da música barulhenta e catártica. Liberdade, cumplicidade e amizade em um espaço onde todos são iguais.

Tratam de temas do cotidiano, da vida sempre com uma visão analítica crítica, com humor ácido e questionador, que pode misturar otimismo com niilismo.

Os músicos ainda possuem outros projetos em atividade. O baterista Marcelo toca nas bandas punk Chuva Negra e Faca Preta, e o vocalista Flávio toca na dupla de folk A Ride For Two.

No começo de 2020 lançaram dois singles e um videoclipe de forma independente. Após isso, atravessando todo o período de pandemia em 2021, concentraram seus esforços em compor e gravar de forma segura e sem pressa o primeiro EP da banda “Baita Astral’.

O EP, que será lançado em 2022, possui cinco músicas e foi produzido por Phil Fargnoli, guitarrista da banda CPM22, que também toca em uma das faixas.

Nos sigam e deêm um like na gente \m/
error
fb-share-icon

About Gustavo Diakov

Idealizador disso aqui, Fotógrafo, Ex estudante de Economia, fã de música, principalmente Doom/Gothic/Symphonic/Black metal, mas as vezes escuto John Coltrane e Sampa Crew.

View all posts by Gustavo Diakov →

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.