Crasso Sinestésico lança novo EP “Nublado”

“Crasso Sinestésico sempre me soou um projeto sobretudo experimental e a nova parceria que, além de carismática é ambiciosa, torna o terreno fértil para expressar particularidades e ainda construir identidades mais sólidas. O que não falta nesse EP são boas marcações.”

A nova formação cria, com potencial lisérgico, um caminho entre gêneros e encontra linguagens comuns. O peso de efeitos que remetem a sintetizadores são a favor da intensidade que todo o beat sustenta. A bateria serve como transmissor para letras mais intimistas e sonoramente, tudo se desafia. A roupagem é interessante e simples. O encontro é melodioso e a unidade é certeira. 

Explorando angústias do nosso tempo, as cinco músicas constroem um repertório cheio de minúcias e camadas. 

Em “Golem”, o sonho da casa própria se dissolve na distopia e na entropia que também é sentida em backing vocais suplicantes. A cúpula do prato chega marcando a guitarra mais linear do EP e a lírica nos anuncia o que há por vir. 

“Maniqueísmo e Outras Pegadas” é sobre a dualidade em respirar, suplicar, insistir e desistir. Em uma sonoridade vibrante, os pedais flutuam e cortam a atmosfera, apesar da repetição. É o som com mais pratos soltos e a métrica mais incomum. Soa sujo, cru e potente.   

Em “Estruturas Não Descem as Ruas”, a bateria parece acompanhar acordes talhantes e mais dissonantes da guitarra, mas ainda marcar outro tempo. A presença do chimbau bem acentuado e a constância dos efeitos traz influências que esbarram em bandas como Mahmed (RN), Warpaint (LA), Polara (SP) e Polvo (NC).

O contratempo em “Vita Brevis” é hipnotizante, mas energético. O timbre aberto da caixa conversa com o phaser das cordas e acalenta o sentimento de despedida presente em todo o som. Os vocais extras pincelam mais um pouco de melancolia. 

A faixa instrumental “Luz” impulsiona sintetizadores mais cortantes e rememora encontros, mesmo que esfarelados. O mesmo beat na bateria, marcado pelo surdo, não nos deixa esquecer o diálogo entre os instrumentos e a sutileza da sinestesia. 

Crasso Sinestésico é: 

Diego Fernandes (Vocal e Guitarra) 

Helder Vilhena (Bateria e vocal) 

****Texto e fotos por Isabela Mendes

Ouça aqui: https://onerpm.link/447587502472 

Conheça mais: https://linktr.ee/crassosinestesico 

Nos sigam e deêm um like na gente \m/
error
fb-share-icon

About Gustavo Diakov

Idealizador disso aqui, Fotógrafo, Ex estudante de Economia, fã de música, principalmente Doom/Gothic/Symphonic/Black metal, mas as vezes escuto John Coltrane e Sampa Crew.

View all posts by Gustavo Diakov →

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.