sonoridadeunderground

Eagles – “Hotel California” e o reggae jamaicano de um Don que impressionou o outro

Eagles – “Hotel California” e o reggae jamaicano de um Don que impressionou o outro

Na edição 14 (junho/19) da Planet Rock, Don Felder trouxe detalhes sobre a gênese
de “Hotel California”. A seguir, a tradução integral do depoimento em primeira pessoa na
seção “How I Wrote…”, página 22 da revista inglesa:
Don Felder, ex-guitarrista do Eagles, revela como a demo de um reggae mexicano se
tornou um dos hinos mais icônicos do rock:
“Quando entrei no Eagles, minha esposa, Susan, e eu estávamos morando nas
montanhas, com vista para Topanga Canyon, uma bela área rural da Califórnia. Um dia ela
pôs um cobertor no chão, do lado de fora da casa, para nosso bebê, Jesse, e viu uma
cascavel rastejando na direção dele. Ela me chamou e disse: ‘Estamos nos mudando’.
Então, quando saí da estrada, voltei para uma casa que ela havia alugado em Malibu. E foi
onde escrevi ‘Hotel California’.
Quando me juntei ao grupo pela primeira vez, Bernie Leadon, meu colega de banda
desde os tempos de colegial, me disse: ‘Se você quiser escrever músicas com Don Henley e
Glenn Frey, apenas prepare ‘terrenos musicais’ para eles. Não tente lhes dar músicas
completas com letras porque este é o trabalho deles. Então antes de fazer o álbum Hotel
California, escrevi quinze ou dezesseis músicas em versão demo baseadas nessa
abordagem. Duas delas terminaram no álbum: uma era ‘Victim Of Love’ e a outra foi a
faixa-título.
À época, ‘Hotel California’ era apenas mais uma música na fita cassete. Eu não
necessariamente achava que era a melhor música, mas Don me chamou depois de alguns
dias e me disse: ‘Eu realmente gosto daquela música que soa como um reggae mexicano’ e
eu sabia a qual ele se referia. Então começamos a discutir idéias para ela. Glenn bolou o
conceito original de ‘Hotel California’ e então Henley se sentou e escreveu aquela letra
fantástica.
As letras de Don são como pequenas fotografias, que, muito mais como ler um livro
do que como ver um filme, te permitem desenhar imagens em sua cabeça. ‘On a dark
desert highway’, são cinco palavras, mas elas colocam uma imagem em sua cabeça. ‘Cold
wind in my hair’, você pode sentir o vento, você consegue visualizar o cabelo.
O solo de guitarra veio direto da demo. Joe Walsh e eu tínhamos tocado juntos em
You Can’t Argue With A Sick Mind, seu álbum ao vivo de 1976, antes de ele integrar o
Eagles, e então eu queria escrever algo que incorporaria como ele e eu tocávamos juntos.

Quando fomos fazer o álbum, Don ‘vivia’ com aquela música havia mais de um ano e
queria o solo feito nota por nota, então ele é idêntico ao que estava na demo.
Para ser sincero, eu achava que a música era comprida demais. Nos anos 70,
estações de rádio AM não tocavam músicas mais longas do que três minutos e meio, mas
‘Hotel California’ tem um minuto de música antes mesmo de Don começar a cantar e um
solo de guitarra de dois minutos no fim. Mas Henley insistiu para que a gravadora a
lançasse como um single. E nunca me senti tão contente por estar tão errado.
Mais ou menos cinco anos atrás, fiz um show para as Nações Unidas no Hotel
Waldorf Astoria, em Nova York. Toquei ‘Hotel California’ e não importa quais línguas as
pessoas falavam, ou de que países elas eram, TODO MUNDO cantou a música inteira. Foi aí que vi que a canção realmente tinha um impacto global. “

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *